Verdade v Dogma

 
Muitas pessoas são criadas em famílias que são membros de uma igreja ou grupo religioso. Desde cedo aprendem o que acreditar e o que não acreditar. Isso não é necessariamente feito intencionalmente; se todos ao seu redor pensarem de um modo particular, é difícil ser objetivo e cultivar seus próprios pensamentos.

Muitas religiões organizadas provavelmente surgiram em momentos de revelações. Como exemplo, a Bíblia cristã fala do Batismo de Jesus que pode ser interpretado como uma iniciação espiritual. Faria perfeito sentido que Jesus recebeu acesso às energias de Luz e Som e logo após passou 40 dias e 40 noites no deserto a fim de alcançar a Iluminação. Durante este período ele lutou com sua mente que é familiar a todos que meditam. Foi somente depois desses dois eventos que Ele começou a ensinar!

Após sua morte, os discípulos podem ter tido o poder de transmitir as Energias, mas parece que logo se diluiu. Em vez disso, a revelação foi substituída pela cerimônia e pelo dogma, com ênfase na crença e na fé, e não na descoberta pessoal. Não demorou muito para que os edifícios fossem erguidos e o dinheiro fosse cobrado para garantir a salvação pessoal. É incrível perceber que, até bem recentemente, a Bíblia geralmente só estava disponível em grego e latim.

É importante que, quando introduzimos as pessoas à meditação e falamos da Luz e do Som, explicamos que elas precisam encontrar a verdade por si mesmas. Nosso Conhecimento não é o vosso Conhecimento, nossas Revelações não são vossas Revelações! Estamos apenas lá para apoiá-los e guiá-los. Não há necessidade de crença ou fé. A melhor abordagem tem que ser simplesmente uma busca inteligente acoplada a um coração aberto.

A Luz e o Som ou existem, ou não existem … é para o buscador espiritual determinar qual é a verdade.

Post navigation